...

quinta-feira, 24 de Julho de 2014

Dicas Algarvias #3

Feira da Serra (São Brás de Alportel)


Como poderão aperceber-se ao longo desta saga das Dicas Algarvias, sou uma fã incondicional de feiras. Maiores, mais pequenas, internacionais ou da aldeia: ir a feiras é uma coisa que me está no sangue. É diferente, é outro ambiente, são várias as pessoas com que nos cruzamos e há sempre algo novo para ver e histórias para ouvir. Das feiras a que costumo ir durante o verão, a Feira da Serra, em São Brás de Alportel, foi a mais recente a que aderi. É uma feira que valoriza os produtos da Serra do Caldeirão e que mostra várias artes típicas antigas algarvias. Claro que também mistura um pouco com a actualidade, havendo concertos e desfiles de moda. Para os mais pequenotes - e não só - a parte dos animais é a mais entusiasmante. Há sempre uma zona do recinto com alguns animais de quinta, que são um amor. Melhor do que eu vos explicar isto tudo, é vocês verem com os vossos próprios olhos, por isso digo-vos que este certame realiza-se já nesta sexta, sábado e domingo - dias 25, 26 e 27, respectivamente. Eu já marquei na agenda e sábado estou lá, der por onde der! O horário é das 19h às 02h e o preço do bilhete diário é 3,5€. Localização, programa e mais informações aqui.  

Bom dia


quarta-feira, 23 de Julho de 2014

O que comprar nos saldos?


Como sabem, já há algum tempo que as promoções chegaram até às nossas lojas favoritas. Os saldos vieram depois disso e, como pessoa atenta que sou, já lá fui resgatar algumas pecinhas, pelo que achei que deveria fazer um post sobre isso. Conselhos nunca são demais, mas o que se compra nos saldos - ou o que se prefere comprar - varia sempre de pessoa para pessoa. No meu caso, prefiro comprar peças de Outono/Inverno já a pensar na próxima estação. Claro que há peças intemporais e que dão para usar em qualquer estação. Quem faz como eu - ou quem está a pensar em fazer - precisa sempre de ter em mente uma coisa: paciência. Não para procurar pelas peças, não para esperar em filas, mas para poder usar a roupa nova que estão a adquirir. Esse é o único probleminha. A minha mãe, por exemplo, não tem muito essa paciência para comprar agora e só usar as coisas daqui a meses, por isso prefere comprar coisas que possa usar para já. São opções. :)

Bom dia


E são as melhores "coisas". 


terça-feira, 22 de Julho de 2014

Coisas que eu não percebo #6

Hoje em dia existe aquela maravilha que são os tarifários ilimitados, com não sei quantos minutos de chamadas e não sei quantas SMS "à borla". Toooooda a gente adora e tooooda a gente tem um desses. É normal: é fácil, só se carrega uma vez por mês e a pessoa não se preocupa muito com isso. Eu até gostava de dizer que isso não é problema nenhum, mas há quem complique. É que, normalmente, esses tarifários são bons e funcionam sim, mas entre números da mesma rede. O problema começa quando se quer falar com alguém de rede diferente. É todo um trinta-e-um por gastar uns míseros cêntimos - a não ser que se queira falar horas e horas a fio e trocar 3484657 SMS num dia só. E isto é uma coisa que eu não percebo.

Antes, muuuito antes, de existirem tarifários deste género, ninguém falava ao telemóvel? É que, dado o drama de algumas pessoas, parece que não! Quando surgiram estes tarifários aderi a um da minha rede, pois quase todos os meus amigos também tinham o mesmo e tornava-se mais fácil a comunicação com eles. Mas outros tantos não eram da mesma rede, nem mesmo a minha mãe, e não foi por isso que deixei de lhes telefonar ou mandar mensagens, até porque certificava-me sempre de ter algum dinheiro extra no saldo para poder utilizar nesses casos. Mas até aqui tudo bem. Só senti na pele o efeito destes tarifários espectaculares há uns meses, quando mudei de rede.


Juntamente com o meu irmão, mudei de rede e passei a ter o tarifário de sonho - chamadas e SMS "ilimitadas" para TODAS as redes, incluindo as fixas nacionais. Para mim foi uma alegria! O problema veio da parte de alguns dos meus amigos. "Ah, agora és de outra rede, já gasto dinheiro contigo." "Ai, agora já não posso falar contigo." "Pois, quem te manda mudar para esses tarifários, agora esquece, já não te mando mensagens". Ahhhhhhhh, que bonito! Realmente é toda uma chatice gastar uns 20 cêntimos - assim na loucura - com umas mensagenzitas. Ou 70 cêntimos, vá, numa chamada mais longa do que o típico "onde é que estás?". Juro que não percebo. E tanto que não percebo que, a única solução viável que arranjei foi: querem telefonar-me? Dão-me um toque - voltando aos bons velhos tempos - que eu telefono de volta. Ninguém paga nada, ninguém se chateia com nada, ficamos todos ricos na mesma. Mas eles mais chatinhos que eu. 

Imagem daqui

Bom dia


They may happen! ;)